Pesquisa Global aponta que 79% das pessoas acreditam que infraestrutura será base da recuperação pós-Covid

Leia também

Um levantamento publicado nesta semana globalmente pelo Ipsos com a Associação Global do Investidor em Infraestrutura ( GIIA, na sigla em inglês)  mostra que a imensa maioria da população vê os investimentos em infraestrutura como o melhor caminho para a recuperação da economia, após os abalos que a pandemia do novo coronavírus já causou no mundo – e tem potencial de continuar causando, com o surgimento da segunda onda de contaminação na Europa e nos Estados Unidos. A visão é que recursos para estas obras podem gerar emprego, movimentar a economia e criar oportunidades para empresas.

A pesquisa ouviu 19.516 pessoas em 27 países de 24 de julho a 7 de agosto. Para 79% delas, investir em infraestrutura é o melhor caminho para retomar a atividade econômica. No Brasil, este percentual chega a 81% e o país figura no quarto entre as populações que mais concordam com a afirmação, atrás apenas de África do Sul (90%), Peru (89%) e China (87%). A menor adesão a esta afirmação está no Japão, com 61% de apoio popular. 

Segundo o levantamento, 81% dos entrevistados no Brasil esperam que os governos façam este investimento, patamar superior à média mundial (68%). Mas, da mesma forma, mais brasileiros aceitam investimentos privados em infraestrutura 73%, contra média mundial de 68%, e para 71% dos entrevistados no Brasil este capital pode ser estrangeiro, contra média mundial de 52%.  No dado global, o apoio ao investimento privado e ao estrangeiro cresceu quatro pontos percentuais em relação à pesquisa de 2019.

“Esses resultados indicam um forte apoio ao investimento do setor privado em infraestrutura econômica, o que permite ao governo se concentrar no fornecimento de infraestrutura social, como saúde e educação, após a pandemia global”, afirmou  Lawrence Slade, presidente da GIIA.

O levantamento também aponta as maiores demandas globais no setor: água e saneamento (42%), energia solar (41%), ruas e avenidas (34%), habitação (34%), calçadas e vias de pedestres (34%), obras contra inundações (33%), energia eólica (33%), ferrovias (32%), infraestrutura para banda larga (32%), estradas (31%), ciclovias (26%), estrutura para carros elétricos (21%), aeroportos (13%) e energia nuclear (11%).

O Diretor de Pesquisa Ben Marshall, da Ipsos Transporte e Infraestrutura, afirmou que a pesquisa indica um caminho de uma preocupação ambiental. “Estamos vendo um interesse contínuo em investimentos em energia renovável entre os setores de infraestrutura e uma expectativa de que a infraestrutura será uma parte fundamental de qualquer plano de estímulo econômico”.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Em dois anos, empresas que não se modernizarem parecerão do século passado, diz Monica de Bolle

Monica de Bolle, professora da Johns Hopkins University e pesquisadora sênior do Peterson Institute for International Economics, ambos em Washington, afirma, em entrevista exclusiva...

Insead aponta ferramentas para transformar suas ideias em realidade

Um artigo publicado na prestigiosa escola de administração europeia Insead apontou quais ferramentas são necessárias para transformar uma inovação em uma inovação bem-sucedida. O...

As entregas do e-commerce precisam ser tão rápidas?, questiona Correos da Espanha

Em tempos de Black Friday, quase tão importante quanto os descontos são os prazos para entregas. Se antes a disputa era por dias, agora...

Grupo brasileiro lança movimento CEOs pela Diversidade e Inclusão

Um grupo de CEOs de grandes empresas brasileiras lançará, no dia 26 de novembro, o Movimento Impacto - CEOs pela Diversidade e Inclusão. O...

Vacinas contra Covid-19 levam FMI a sugerir investimentos para a retomada econômica global

O otimismo gerado com notícias promissoras quase diárias sobre vacinas contra a Covid-19 levou o Fundo Monetário Internacional (FMI), em um texto desta terça-feira...