Agendas verde e social de Biden devem acelerar transformação de empresas

Leia também

A vitória de Joe Biden deve acelerar transformações empresariais que já ocorrem no mundo. Embora ainda existam muitas incertezas sobre o real poder que ele terá, devido ao fato de não estar claro se os democratas conseguirão conquistar a maioria no Senado, sua nova postura alinha o governo da maior potência do mundo com as modernas práticas corporativas. A medida mais emblemática, a ser adotada no primeiro dia de seu governo, será a reintegração dos EUA ao Acordo de Paris.

Além de um pacote inicial para a recuperação econômica americana da Covid-19, o que anima os mercados financeiros em todo o mundo, sua agenda sustentável e em favor das minorias, rompendo com o que estava sendo realizado no governo de Donald Trump, tende a ser um incentivador para agendas igualitárias e a pauta ESG que já é dominante no mundo corporativo global. Mas, com o apoio institucional do governo americano, novos avanços devem ocorrer, sobretudo na área ambiental.

Ao prometer investir US$ 2 trilhões para desenvolver energia limpa e eliminar emissões do setor de energia até 2035, Biden pode abrir uma leque de oportunidades de investimentos e negócios. Além disso, ao retornar ao Acordo de Paris, os EUA devem turbinar o mercado internacional de compensação de carbono, o que gera a possibilidade de muitos negócios, inclusive no Brasil.

Chamado por alguns agentes do mercado de “presidente verde”, Biden está gerando muitas expectativas, que nem sempre são fáceis de serem atendidas. Mas o cenário, de uma maneira geral, é promissor. “É difícil saber exatamente quais mudanças Biden realmente implementará, principalmente porque não está claro quem controlará o Senado. Mas podemos dizer que quase todas as políticas verdes implementadas por Biden serão positivas em comparação com seu antecessor ”, observou David Harrison, gerente do Fundo de Sustentabilidade Global Rathbone.

No campo social, o tema da inclusão, comércio justo e atuação proativa devem ser destaques. Não apenas pelo fato de, com Biden, ter sido eleita a primeira mulher para o cargo de vice-presidente dos EUA, mas pela pressão da sociedade americana para uma sociedade mais justa e igual, o que vai tornar mais evidente os esforços das empresas na mesma direção.

O governo Biden, segundo analistas, também tende a restabelecer a forma do multilateralismo, reduzindo amarras do comércio Global, o que tende a ser positivo, principalmente no longo prazo. Neste cenário, caberá ao Brasil se posicionar melhor, mudando a imagem negativa que o país atravessa por questões sociais e ambientais. 

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Empresas mundiais aceleram calendário para carbono zero

Cada vez mais empresas prometem carbono zero, e com prazos cada vez mais curtos. Já são mais de 50 grandes companhias nos Estados Unidos...

Em pior momento da pandemia, indicamos dez pontos a serem seguidos pelas empresas nestes tempos

O impacto da pandemia na economia brasileira foi conhecido nesta quarta-feira: queda de 4,1% do PIB de 2020. Analistas lembram, contudo, que o resultado...

Com Biden, Estados Unidos abrem caminho para “Imposto Google” global

A reunião virtual dos ministros da Economia do G20 confirmou o que muitos esperavam: com a mudança no governo americano, agora está mais perto...

Piores notícias sobre o Brasil na imprensa internacional estão na cobertura política: 65% das reportagens são negativas, aponta estudo

O ano de 2020 será sempre lembrado como período de pandemia, mortes e milhões de contaminados, aguda recessão econômica, aumento do desemprego e um...

Banco Mundial: 25% das empresas tiveram queda de 50% no faturamento com a pandemia

Afinal, qual o impacto da pandemia para as empresas? Para tentar responder a esta questão, o Banco Mundial tem feito uma série de pesquisas....