Reino Unido se torna primeiro país a exigir relatórios climáticos de empresas

Leia também

As entregas do e-commerce precisam ser tão rápidas?, questiona Correos da Espanha

Em tempos de Black Friday, quase tão importante quanto os descontos são os prazos para entregas. Se antes a disputa era por dias, agora...

Em um esforço para ser uma potência verde, o Reino Unido se tornará o primeiro país a exigir que as empresas publiquem relatórios de impactos climáticos em seus negócios, da mesma forma que são exigidos os relatório de resultado. A obrigatoriedade será geral em 2025, mas a partir de 2023 algumas companhias precisarão atender as novas exigências.

A informação foi divulgada nesta semana pelo chanceler do Tesouro Rishi Sunak, o equivalente ao secretário do Tesouro dos EUA, que afirmou que a regra se aplicará à maior parte da economia do país, incluindo empresas listadas em Bolsa, bancos, grandes empresas privadas, seguradoras, gestores de ativos e fundos de pensão regulamentados. A medida ocorre em um momento de maior conscientização ambiental, com muitas corporações globais criando metas para tornarem suas atividades com emissão zero de carbono em prazos diferentes no futuro.

“Estamos iniciando um novo capítulo na história dos serviços financeiros e renovando a posição do Reino Unido como centro financeiro preeminente do mundo. Ao tomar todas as decisões de equivalência que podemos na ausência de clareza da UE, estamos fazendo o que é certo para o Reino Unido e proporcionando às empresas certeza e estabilidade”, disse Sunak.

A questão, agora, é como contabilizar este impacto. Para isso, o Reino Unido conta com a ajuda da Força-Tarefa sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima (conhecida pela sigla em inglês TCFD) , organização criada em 2015 e que atualmente é presidida pelo bilionário e ex-prefeito de Nova York Michael Bloomberg. A partir deste ano, mais de 1.500 organizações expressaram seu apoio ao TCFD, um aumento de mais de 85% em relação ao ano passado, segundo o Wall Street Journal.

Segundo a organização, 42% das empresas com valor de mercado acima de US$ 10 bilhões divulgaram pelo menos algumas informações em linha com os preceitos defendidos pelo TCFD. De acordo com os jornais britânicos, algumas obrigatoriedades de informações ambientais podem ser exigidas, para um grupo específico de empresas, já em 2023.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Em dois anos, empresas que não se modernizarem parecerão do século passado, diz Monica de Bolle

Monica de Bolle, professora da Johns Hopkins University e pesquisadora sênior do Peterson Institute for International Economics, ambos em Washington, afirma, em entrevista exclusiva...

Insead aponta ferramentas para transformar suas ideias em realidade

Um artigo publicado na prestigiosa escola de administração europeia Insead apontou quais ferramentas são necessárias para transformar uma inovação em uma inovação bem-sucedida. O...

As entregas do e-commerce precisam ser tão rápidas?, questiona Correos da Espanha

Em tempos de Black Friday, quase tão importante quanto os descontos são os prazos para entregas. Se antes a disputa era por dias, agora...

Grupo brasileiro lança movimento CEOs pela Diversidade e Inclusão

Um grupo de CEOs de grandes empresas brasileiras lançará, no dia 26 de novembro, o Movimento Impacto - CEOs pela Diversidade e Inclusão. O...

Vacinas contra Covid-19 levam FMI a sugerir investimentos para a retomada econômica global

O otimismo gerado com notícias promissoras quase diárias sobre vacinas contra a Covid-19 levou o Fundo Monetário Internacional (FMI), em um texto desta terça-feira...