Bill Gates prevê queda de 50% de viagens corporativas após pandemia

Leia também

A todo momento surgem previsões de como será o mundo pós-pandemia e o “novo normal”, inclusive com pessoas acreditando que, com as vacinas, há chances para o “velho normal” voltar. Mas Bill Gates fez, na semana passada, algumas previsões que indicam um mundo corporativo muito diferente, com apenas metade das viagens de negócios antes da pandemia. 

O criador da Microsoft e terceiro homem mais rico do planeta, com US$ 118,4 bilhões (R$ 644 bilhões) afirmou durante sua apresentação na Dealbook Conference, do New York Times, disse prever que apenas metade das viagens de trabalho ocorrerão. “A justificativa para realizar uma viagem de trabalho será muito mais complicada”, disse. Estimativas indicam que viagens de negócio representam metade do movimento aéreo nos Estados Unidos e 70% do tráfego brasileiro nos aeroportos.

As previsões de Gates, se por um lado desanimam o combalido setor aéreo, dão esperanças aos ambientalistas. O transporte aéreo é uma das maiores fontes de poluição da atmosfera mundial. Muitas empresas estão buscando formas de terem uma atuação mais equilibrada, porém o sonho de “voos verdes” ainda está longe da realidade. 

O bilionário ainda estima que o tempo médio das pessoas nos escritórios cairão 30% em relação ao vivido antes do novo coronavírus. “Seguiremos indo aos escritórios de alguma maneira, mas muito menos”, afirma ele, imaginando que o home office terá um novo patamar no mundo, mesmo após uma eventual vacinação em massa. No entanto, ele não acredita que isso será linear: “Algumas empresas podem ser mais radicais em seus esforços para reduzir as reuniões presenciais do que outras”.

O bilionário agora está focando, junto à fundação que leva seu nome e de sua mulher, a democratizar o acesso a futuras vacinas contra a Covid-19. Ele admite que o desafio logístico é imenso e a situação tende a ser pior nos países mais pobres. 

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Cresce interesse de investidores sobre ESG no mercado brasileiro

O ESG provou que não é apenas uma moda. As empresas e investidores se preocupam tanto com questões ambientais, sociais e de governança como...

Fintechs brasileiras batem recorde e captam mais de US$ 1,9 bilhão em 2020

Um levantamento da Distrito Dataminer, braço de inteligência de mercado da empresa de inovação aberta Distrito, afirma que o ano de 2020 foi de...

Levantamento do Linkedin mostra que trabalhadores terminaram 2020 menos otimistas

Trabalhadores brasileiros fecharam 2020 menos confiantes. Isso foi o que mostrou a quinta edição do Índice de Confiança do Trabalhador, realizado pelo LinkedIn, a...

Pandemia, crise climáticas e movimentos sociais levam a marketing a seu maior desafio

Muito se fala sobre transformações no jornalismo, nas mídias e no entretenimento. Pois agora é o momento de se repensar o marketing. Um artigo...

Vacinas, racismo e clima: motores do ESG em 2021

A Boston Common Asset Management definiu quais serão os três motores para os investimentos em ESG (sigla em inglês para ambiental, social e governança)...