Vacinas contra Covid-19 levam FMI a sugerir investimentos para a retomada econômica global

Leia também

Pandemia, crise climáticas e movimentos sociais levam a marketing a seu maior desafio

Muito se fala sobre transformações no jornalismo, nas mídias e no entretenimento. Pois agora é o momento de se repensar o marketing. Um artigo...

Levantamento do Linkedin mostra que trabalhadores terminaram 2020 menos otimistas

Trabalhadores brasileiros fecharam 2020 menos confiantes. Isso foi o que mostrou a quinta edição do Índice de Confiança do Trabalhador, realizado pelo LinkedIn, a...

Cresce interesse de investidores sobre ESG no mercado brasileiro

O ESG provou que não é apenas uma moda. As empresas e investidores se preocupam tanto com questões ambientais, sociais e de governança como...

O otimismo gerado com notícias promissoras quase diárias sobre vacinas contra a Covid-19 levou o Fundo Monetário Internacional (FMI), em um texto desta terça-feira em seu blog, a indicar aos governos que é hora de pensar em planejar a retomada da economia, que só será plena com imunizantes para a população. E, para isso, o melhor caminho é investir em infraestrutura.

No texto do blog — fórum para as opiniões da equipe e dos funcionários do FMI sobre as questões econômicas e políticas urgentes do dia —, o Fundo afirma que, ainda, as prioridades da economia global estão relacionadas à necessidade de produzir e distribuir vacinas globalmente, combater as mudanças climáticas e estimular a recuperação econômica da crise. E, para isso,  “um impulso de infraestrutura coletiva impulsionará o crescimento global”. 

O FMI defende que um maior número de países invistam, ao mesmo tempo, em infraestrutura, o que fará com que os benefícios econômicos ultrapassem fronteiras. “Na verdade, quando muitos países agem ao mesmo tempo, o investimento público em infraestrutura pode ajudar a elevar o crescimento interno e externo por meio de vínculos comerciais. Este efeito positivo de ‘transbordamento’ poderia fornecer um impulso adicional à produção global”.

O FMI alerta que, em temos de economia forte, muito gasto em infraestrutura poderia ter impacto inflacionário. “Mas quando as condições são fracas e a inflação está bem abaixo da meta, é menos provável que a política monetária aperte em resposta a maiores gastos do governo, resultando em uma resposta maior do produto. O contexto de ampla capacidade ociosa, portanto, amplifica o impacto tanto dos gastos domésticos com infraestrutura pública quanto da demanda decorrente de maiores investimentos públicos no exterior”, diz o texto.

Baseado em um relatório publicado antes da reunião do G20, o texto ainda indica que os benefícios para investimentos em infraestrutura pode ser ainda melhor se forem bem planejados. “Por exemplo, se esses gastos priorizarem investimentos verdes, também fortalecerão a resiliência e permitirão um mundo mais limpo para a próxima geração. Projetos eficientes de transporte de massa, redes elétricas inteligentes e reforma de edifícios para aumentar a eficiência energética podem ser priorizados”, afirma o FMI, que alerta ainda que o investimento público que exige muitos empregos, como manutenção de infraestrutura ou obras públicas que são implementadas de forma eficiente, também são essenciais.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Cresce interesse de investidores sobre ESG no mercado brasileiro

O ESG provou que não é apenas uma moda. As empresas e investidores se preocupam tanto com questões ambientais, sociais e de governança como...

Fintechs brasileiras batem recorde e captam mais de US$ 1,9 bilhão em 2020

Um levantamento da Distrito Dataminer, braço de inteligência de mercado da empresa de inovação aberta Distrito, afirma que o ano de 2020 foi de...

Levantamento do Linkedin mostra que trabalhadores terminaram 2020 menos otimistas

Trabalhadores brasileiros fecharam 2020 menos confiantes. Isso foi o que mostrou a quinta edição do Índice de Confiança do Trabalhador, realizado pelo LinkedIn, a...

Pandemia, crise climáticas e movimentos sociais levam a marketing a seu maior desafio

Muito se fala sobre transformações no jornalismo, nas mídias e no entretenimento. Pois agora é o momento de se repensar o marketing. Um artigo...

Vacinas, racismo e clima: motores do ESG em 2021

A Boston Common Asset Management definiu quais serão os três motores para os investimentos em ESG (sigla em inglês para ambiental, social e governança)...