As entregas do e-commerce precisam ser tão rápidas?, questiona Correos da Espanha

Leia também

Em tempos de Black Friday, quase tão importante quanto os descontos são os prazos para entregas. Se antes a disputa era por dias, agora nos grandes centros a competição é por quem entrega em menos horas. Entretanto a estatal espanhola de correios, a Sociedad Estatal Correos y Telégrafos, conhecida como Correos, abriu nesta semana um debate: é preciso enviar tudo de forma tão rápida? Isso é o melhor em momentos de combate às mudanças climáticas?

“Nós nos acostumamos a ter coisas no momento imediato. Mas devemos estar cientes de que isso tem consequências para o nosso meio ambiente. Os consumidores têm de saber que o fato de todos os embarques serem urgentes implica que são necessários mais veículos para cumprir os prazos, o que significa mais poluição”, provoca Elena Fernández, subdiretora de Sustentabilidade e Relações Internacionais dos Correos.

A empresa estatal está avançando em soluções alternativas à urgência. Nos Correos eles estão convencidos de que devem trabalhar aos consumidores opções sustentáveis, incluindo remessas neutras em carbono, embalagens com menor impacto ambiental e remessas um pouco mais lentas, porém mais eficientes emas melhores para o meio ambiente. “Desistir do imediatismo permite agora consolidar as remessas e alcançar a eficiência máxima do veículo ao colocá-lo em plena carga, reduzindo as emissões significativamente”, afirma a empresa.

Neste ano a empresa lançou um novo plano logístico focado não apenas na eficiência das entregas, mas em seu impacto ambiental. Correos também lidera a iniciativa europeia que visa reduzir as emissões globais relacionadas com o transporte, com a implementação de uma torre de controle para a gestão da infraestrutura logística nas cidades. E isso pode significar, inclusive, parcerias entre concorrentes em prol do meio ambiente.

“O que esta iniciativa europeia levanta é como otimizar o gerenciamento de rota e transferência de carga de uma rede para outra para evitar sobreposições de rede. Trata-se de empresas combinando cargas para reduzir ao mínimo as emissões e permitir uma melhor gestão da mobilidade nas cidades ”, destaca Elena Fernández.

Correos já conta com mais de mil veículos elétricos ou híbridos e sua operação, e os planos são de ampliar esta frota ecológica, que atende seus 46 mil carteiros e entregadores.  A meta é ter 50% de tecnologias alternativas até 2030.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Cresce interesse de investidores sobre ESG no mercado brasileiro

O ESG provou que não é apenas uma moda. As empresas e investidores se preocupam tanto com questões ambientais, sociais e de governança como...

Fintechs brasileiras batem recorde e captam mais de US$ 1,9 bilhão em 2020

Um levantamento da Distrito Dataminer, braço de inteligência de mercado da empresa de inovação aberta Distrito, afirma que o ano de 2020 foi de...

Levantamento do Linkedin mostra que trabalhadores terminaram 2020 menos otimistas

Trabalhadores brasileiros fecharam 2020 menos confiantes. Isso foi o que mostrou a quinta edição do Índice de Confiança do Trabalhador, realizado pelo LinkedIn, a...

Pandemia, crise climáticas e movimentos sociais levam a marketing a seu maior desafio

Muito se fala sobre transformações no jornalismo, nas mídias e no entretenimento. Pois agora é o momento de se repensar o marketing. Um artigo...

Vacinas, racismo e clima: motores do ESG em 2021

A Boston Common Asset Management definiu quais serão os três motores para os investimentos em ESG (sigla em inglês para ambiental, social e governança)...