Com padronização de ESG, remuneração de executivos pode se ligar à sustentabilidade

Leia também

Cresce interesse de investidores sobre ESG no mercado brasileiro

O ESG provou que não é apenas uma moda. As empresas e investidores se preocupam tanto com questões ambientais, sociais e de governança como...

Fintechs brasileiras batem recorde e captam mais de US$ 1,9 bilhão em 2020

Um levantamento da Distrito Dataminer, braço de inteligência de mercado da empresa de inovação aberta Distrito, afirma que o ano de 2020 foi de...

Um dos maiores desafios de agendas sustentáveis, sociais e de governança (ESG) nas empresas é criar maneiras mensuráveis de avaliar o impacto ambiental e sua relação com os resultados financeiros das companhias. Mas no mundo corporativo muitos dizem que isso é questão de tempo, pois há várias iniciativas de criação de padrões contábeis para resultados ambientais. E isso tende a ser revolucionário.

Em um artigo publicado na Harvard Business Review, os pesquisadores e professores Richard Barker, Robert G. Eccles e George Serafeim afirmam que o impacto dos padrões de relatórios de sustentabilidade será enorme. “Essas mudanças serão ainda mais efetivas se a remuneração estiver vinculada às métricas de sustentabilidade. Hoje, executivos e membros do conselho são recompensados ​​quase inteiramente em termos de desempenho financeiro da empresa. Rigorosos padrões de mensuração e reporte de sustentabilidade permitirão que sejam utilizados na determinação da remuneração de CEOs, executivos, conselheiros e investidores”, afirmam os autores.

Os novos padrões de contabilidade ambiental também deverão criar uma unificação de relatórios das empresas, tratando de questões financeiras e ambientais de maneira interligada, e não mais em dois documentos diferentes, como ocorre na maior parte das empresas atualmente. “Os executivos serão mais capazes de considerar as questões de sustentabilidade nas decisões de estratégia e alocação de capital. Isso ajudará a garantir a sustentabilidade do desempenho financeiro das empresas, principalmente no longo prazo. Os conselhos de administração verão a sustentabilidade não como uma questão secundária a ser administrada em um comitê, mas como uma questão importante na qual todo o conselho precisa se concentrar”, informa o texto.

Neste novo cenário, ficará mais claro que as empresas mais eficazes na gestão da sustentabilidade serão mais atraentes para os investidores. Uma vez que o desempenho de sustentabilidade pode ser um indicador importante de desempenho financeiro, os investidores vão querer a mesma consistência e clareza nos relatórios de sustentabilidade de uma empresa que agora esperam para seus relatórios financeiros.

O artigo ainda lista diversas iniciativas de padronização contábil para as empresas, indicando dificuldades ainda existentes e desafios a serem enfrentados. Porém alerta que avanços estão ocorrendo e que cada vez mais grandes corporações, instituições e órgãos reguladores de governo estão se associando a estas iniciativas.

“Os investidores e outras partes interessadas, de repente, terão uma visão muito mais clara do desempenho de sustentabilidade de uma empresa – assim como têm seu desempenho financeiro. Embora a maioria das empresas hoje emita relatórios de sustentabilidade, eles estão separados de seus relatórios financeiros, tornando difícil ver a relação entre o desempenho financeiro e o desempenho de sustentabilidade”, conclui o texto.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Cresce interesse de investidores sobre ESG no mercado brasileiro

O ESG provou que não é apenas uma moda. As empresas e investidores se preocupam tanto com questões ambientais, sociais e de governança como...

Fintechs brasileiras batem recorde e captam mais de US$ 1,9 bilhão em 2020

Um levantamento da Distrito Dataminer, braço de inteligência de mercado da empresa de inovação aberta Distrito, afirma que o ano de 2020 foi de...

Levantamento do Linkedin mostra que trabalhadores terminaram 2020 menos otimistas

Trabalhadores brasileiros fecharam 2020 menos confiantes. Isso foi o que mostrou a quinta edição do Índice de Confiança do Trabalhador, realizado pelo LinkedIn, a...

Pandemia, crise climáticas e movimentos sociais levam a marketing a seu maior desafio

Muito se fala sobre transformações no jornalismo, nas mídias e no entretenimento. Pois agora é o momento de se repensar o marketing. Um artigo...

Vacinas, racismo e clima: motores do ESG em 2021

A Boston Common Asset Management definiu quais serão os três motores para os investimentos em ESG (sigla em inglês para ambiental, social e governança)...