Na Espanha, a ordem é reduzir, reutilizar, reciclar e, agora, também recompensar

Leia também

As normas europeias indicam que, até 2029, 90% das garrafas e latas de bebidas precisam ser recicladas. Há quem acredite que estas determinações podem até se tornarem mais rígidas nos próximos anos. Como o país segue muito atrás deste índice, com apenas 44% de reciclagem — muito abaixo dos 98% obtidos pela Alemanha – , uma nova palavra entrou nos “3Rs” (os famosos reduzir, reutilizar e reciclar ): recompensar. E isso gera novos negócios.

O que diversos governos locais estão fazendo, com o incentivo do governo federal, é criar programas de recompensas para quem destina corretamente suas garrafas ou latas. E isso só está se tornando uma realidade graças à tecnologia, que permite, com um celular, o rastreio das embalagens destinadas à reciclagem, gerando pontos. Ecoembes, a entidade nacional de coordenação de reciclagem, instalou na semana passa das dez primeiras máquinas automáticas do Sistema de Devolução e Recompensa (SDR).

Com os pontos acumulados com a reciclagem, as pessoas poderão escolher suas recompensas. Em Getafe, por exemplo, os pontos podem ser trocados por desconto no transporte público, garantir minutos no uso de patinetes elétricos ou até permitir que o reciclador ganhe uma bicicleta elétrica. Em outras localidades há a possibilidade de transformar estes pontos em dinheiro e doar valores para causas sociais e ONGs. E, em Barcelona, estes pontos podem significar descontos no comércio local. 

Ambientalistas afirmam que o modelo pode ser ampliado para outros segmentos além das embalagens de bebidas. Em Getxo, no País Basco, há um modelo semelhante para o descarte de aparatos eletrônicos, que geram descontos para a compra de novos produtos. Se por um lado isso começa a gerar negócios, há críticos alertando que muitos vão reciclar apenas pela recompensa, sem uma conscientização ambiental. Pode até ser em um primeiro momento, mas para a natureza o importante, neste momento, é ampliar o descarte correto de lixos e incentivar a reciclagem.

 

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Cresce interesse de investidores sobre ESG no mercado brasileiro

O ESG provou que não é apenas uma moda. As empresas e investidores se preocupam tanto com questões ambientais, sociais e de governança como...

Fintechs brasileiras batem recorde e captam mais de US$ 1,9 bilhão em 2020

Um levantamento da Distrito Dataminer, braço de inteligência de mercado da empresa de inovação aberta Distrito, afirma que o ano de 2020 foi de...

Levantamento do Linkedin mostra que trabalhadores terminaram 2020 menos otimistas

Trabalhadores brasileiros fecharam 2020 menos confiantes. Isso foi o que mostrou a quinta edição do Índice de Confiança do Trabalhador, realizado pelo LinkedIn, a...

Pandemia, crise climáticas e movimentos sociais levam a marketing a seu maior desafio

Muito se fala sobre transformações no jornalismo, nas mídias e no entretenimento. Pois agora é o momento de se repensar o marketing. Um artigo...

Vacinas, racismo e clima: motores do ESG em 2021

A Boston Common Asset Management definiu quais serão os três motores para os investimentos em ESG (sigla em inglês para ambiental, social e governança)...