No Brasil pós-pandemia, 31% das empresas terão mais tecnologia, diz FDC

Leia também

Pandemia, crise climáticas e movimentos sociais levam a marketing a seu maior desafio

Muito se fala sobre transformações no jornalismo, nas mídias e no entretenimento. Pois agora é o momento de se repensar o marketing. Um artigo...

Levantamento do Linkedin mostra que trabalhadores terminaram 2020 menos otimistas

Trabalhadores brasileiros fecharam 2020 menos confiantes. Isso foi o que mostrou a quinta edição do Índice de Confiança do Trabalhador, realizado pelo LinkedIn, a...

Cresce interesse de investidores sobre ESG no mercado brasileiro

O ESG provou que não é apenas uma moda. As empresas e investidores se preocupam tanto com questões ambientais, sociais e de governança como...

Com a proximidade das vacinas, as empresas começam a vislumbrar melhor o futuro pós-pandemia. E mudanças devem ocorrer. Segundo o levantamento “Os impactos da pandemia nas lideranças e as ações que ajudarão as empresas nesse momento de retomada”, feito pela área de Liderança e Gestão de Pessoas da escola de negócios da Fundação Dom Cabral (FDC), 31% das empresas consultadas pretendem intensificar o uso de tecnologias na retomada dos escritórios.

O levantamento, realizado pelos professores Paulo Almeida e Leni Nunes, entrevistou os responsáveis por 153 empresas no país, dos mais diversos tamanhos e segmentos, como finanças, serviços, saúde, consultoria e varejo. Dentre as empresas participantes, 49% têm faturamento anual de até R$ 99 milhões e 39% contam com mais de 500 colaboradores.

A pesquisa indica que 20% das companhias entrevistadas disseram que pretendem adotar plataformas flexíveis no retorno dos colaboradores; 17% afirmaram que irão adotar um plano de comunicação para a retomada; o mesmo percentual afirmou que irá rever os espaços físicos que possuem. Outros 31% disseram que pretendem intensificar o uso de tecnologias, enquanto 22% redesenharão o uso destes sistemas.

Por outro lado, pouco menos da metade das empresas (41,97%) está apta a implementarem as mudanças que serão exigidas no pós-pandemia. A pesquisa ainda indicou que o agente tomador de decisão nessa retomada é a diretoria de cada empresa – de acordo com 37% dos respondentes.

“Entre os principais desafios que estas companhias têm para atingir  o ideal de transformação estão quesitos como engajar os times nesse retorno, com o objetivo de que eles entreguem com mais agilidade os resultados necessários; a apresentação de modelos de desempenho organizacional – como metas e incentivos -, além da necessidade de que estas companhias se planejem e revisem a sua nova estrutura organizacional”, explica Almeida.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Cresce interesse de investidores sobre ESG no mercado brasileiro

O ESG provou que não é apenas uma moda. As empresas e investidores se preocupam tanto com questões ambientais, sociais e de governança como...

Fintechs brasileiras batem recorde e captam mais de US$ 1,9 bilhão em 2020

Um levantamento da Distrito Dataminer, braço de inteligência de mercado da empresa de inovação aberta Distrito, afirma que o ano de 2020 foi de...

Levantamento do Linkedin mostra que trabalhadores terminaram 2020 menos otimistas

Trabalhadores brasileiros fecharam 2020 menos confiantes. Isso foi o que mostrou a quinta edição do Índice de Confiança do Trabalhador, realizado pelo LinkedIn, a...

Pandemia, crise climáticas e movimentos sociais levam a marketing a seu maior desafio

Muito se fala sobre transformações no jornalismo, nas mídias e no entretenimento. Pois agora é o momento de se repensar o marketing. Um artigo...

Vacinas, racismo e clima: motores do ESG em 2021

A Boston Common Asset Management definiu quais serão os três motores para os investimentos em ESG (sigla em inglês para ambiental, social e governança)...