CEOs criam rede para gerar um milhão de empregos para negros

Leia também

Modelo híbrido é o preferido para pós-pandemia para mais da metade dos trabalhadores, diz pesquisa

Como será o trabalho no pós-pandemia? Muitas instituições estão pesquisando e propondo modelos, dos mais diversos. A consultoria americana McKinsey & Company apresentou uma...

Se no Brasil algumas iniciativas para contratação de estagiários negros geraram controvérsia e foram para na Justiça, nos EUA movimentos semelhantes ganham força  e dinheiro. Um grupo de CEOs de grandes empresas anunciou nesta quinta-feira que vão criar um milhão de empregos para negros nos EUA. E arrecadaram US$ 100 milhões (R$ 500 milhões) para uma empresa que treinará candidatos a estas vagas.

No total o movimento conta com 30 grandes empresas, como IBM, Nike, Target, Bank of America, Amex, Johnson & Johnson, Walmart e Whirlpool. Liderado por Ken Frazier, presidente da farmacêutica Merck, o movimento ocorre em torno da OneTen uma startup que objetiva em ajudar os negros americanos sem diplomas de quatro anos de faculdade, mas com diplomas de ensino médio e outras certificações, a encontrar e manter “empregos para sustento da família”. Quase 80% dos negros americanos não possuem diploma universitário.

“O que uniu as pessoas é que elas olharam para nosso país e disseram, é esta geração de CEOs que não querem passar isso para a próxima geração”, disse Frazier, um dos quatro CEOs negros na Fortune 500, em uma entrevista noticiada pelo Wall Street Journal.

Dados da OneTen apontam que os negros representam 12,4% da população dos Estados Unidos, mas apenas 8% dos profissionais. Em cargos executivos de empresas, contudo, esse percentual cai para 3,2%. Assim, mais que contratar negros, o objetivo é auxiliá-los a se qualificarem e se promoverem nas empresas, evitando o chamado efeito “balde furado”, que nos EUA significa incluir pessoas de um lado, mas elas acabam saindo rapidamente em outro momento, sem ganhos específicos e duradouros.  A OneTen deve começar a abrir diversos escritórios pelos EUA.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Fitch: Volta do crescimento não é suficiente para reparar as finanças públicas da América Latina

A Fitch Ratings publicou nesta terça-feira um relatório que serve de alerta para os países e empresas da região:  a retomada do crescimento econômico...

Como manter sua equipe motivada no home office?

Há um ano o trabalho remoto era um desafio para a sobrevivência de empresas e negócios no início da pandemia. A transição para o...

Autenticidade e transparência são chave nas crises de comunicação em tempos de redes sociais, dizem especialistas

Em um mundo de ativismo global e repercussões em tempo real, estar prevenido quanto aos eventuais problemas decorrentes de crises em um negócio é...

Modelo híbrido é o preferido para pós-pandemia para mais da metade dos trabalhadores, diz pesquisa

Como será o trabalho no pós-pandemia? Muitas instituições estão pesquisando e propondo modelos, dos mais diversos. A consultoria americana McKinsey & Company apresentou uma...

Estudo aponta a bioindústria como caminho para desenvolvimento sustentável da Amazônia

Há caminho para o desenvolvimento com sustentabilidade, e ele passa por pesquisa, desenvolvimento e pela bioindústria. Esta é a conclusão do estudo “Amazônia e...