Engajamento marca restaurante de imigrantes que tem até “think table”

Leia também

Inaugurado há um ano, antes da pandemia, o “Immigrant Food” em Washington se firma com um novo tipo de gastronomia: o primeiro restaurante “gastropolítico” dos EUA, com a proposta de trazer o bate-papo social, político e econômico à prova dos seus clientes. Entre pratos típicos de países que remetem às grandes ondas migratórias dos Estados Unidos, o empreendimento localizado no coração da capital americana, não se propõem apenas a servir lanches e refeições, mas se tornou um centro de engajamento e debate.

Criado com essa proposta de debate social, o Immigrant Food é um modelo de negócio que pode vir a ser tendência neste momento de economia com impacto. Longe de ser uma ONG, o empreendimento é uma opção que alia causas sociais à lucratividade para os sócios e também às causas apoiadas.

Com opções que variam de US$ 12 a US$ 15, o Immigrant Food, que tem como lema “unidos à mesa”, celebra a comida “fusion”, como Bowls que unem tradições vietnamitas com caribenhas, mexicanos, indianos e gregos no mesmo prato ou Irlanda e México em uma mistura de sabores. O comando da casa está a cargo do renomado chef venezuelano Enrique Limardo.

Mas além da história por trás de cada prato, a política imigratória entra no restaurante. Junto com o cardápio de refeições há um menu de engajamento, onde o cliente pode escolher entre doar dinheiro para alguma causa, assinar algum manifesto ou se inscrever em alguma ONG. As fotos que enfeitam o local, a uma quadra da Casa Branca, trazem apenas imigrantes e uma grande tela interativa no estabelecimento convida as pessoas a indicarem, em um mapa, de onde é sua origem.

Mas não é só isso. O local tem um “think table” sobre imigração, brincadeira do idealizador do projeto, Peter Schechter, empresário que decidiu unir seus dois “mundos” — ele é sócio de alguns restaurantes na cidade e já foi até presidente de um centro de estudos, o Atlantic Council. Antes da pandemia, o local abria à tarde apenas para reuniões de debates. Agora, isso ocorre de forma virtual. Na edição de dezembro dos debates, por exemplo, o restaurante trouxe nomes como o vencedor do Pulitzer e colunista do New York Times, Tom Friedman, a líder comunitária na Sierra Gorda mexicana, Pati Ruiz Gordez. O presidente fundador e CEO da ONG Forest Trends , Michael Jenkins.

“Nosso objetivo é celebrar a imigração, em pratos saborosos, lembrando de nossas origens e debatendo o assunto. A imigração é algo que une o país, 74% dos americanos apoiam a imigração” afirmou Peter Schechter.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Cresce interesse de investidores sobre ESG no mercado brasileiro

O ESG provou que não é apenas uma moda. As empresas e investidores se preocupam tanto com questões ambientais, sociais e de governança como...

Fintechs brasileiras batem recorde e captam mais de US$ 1,9 bilhão em 2020

Um levantamento da Distrito Dataminer, braço de inteligência de mercado da empresa de inovação aberta Distrito, afirma que o ano de 2020 foi de...

Levantamento do Linkedin mostra que trabalhadores terminaram 2020 menos otimistas

Trabalhadores brasileiros fecharam 2020 menos confiantes. Isso foi o que mostrou a quinta edição do Índice de Confiança do Trabalhador, realizado pelo LinkedIn, a...

Pandemia, crise climáticas e movimentos sociais levam a marketing a seu maior desafio

Muito se fala sobre transformações no jornalismo, nas mídias e no entretenimento. Pois agora é o momento de se repensar o marketing. Um artigo...

Vacinas, racismo e clima: motores do ESG em 2021

A Boston Common Asset Management definiu quais serão os três motores para os investimentos em ESG (sigla em inglês para ambiental, social e governança)...