Startup lança água mineral em caixa ecológica para ser reutilizada

Leia também

Cada vez mais pessoas se incomodam em, ao comprar água, gerar uma garrafa de plástico como lixo. Pensando em uma solução para este problema, os empreendedores Fabiana Tchalian e Rodrigo Gedankien estão lançando a Água na Caixa, um novo conceito de se hidratar: ambientalmente e socialmente responsável. “A Água na Caixa busca para atender a este novo consumidor, que busca por marcas que se conectem com a responsabilidade social, que levem a sério o ESG (uma visão ambiental, social e de governança)”, disse Gedankien.

Não se trata apenas de uma nova embalagem para água mineral. O produto deles visa repensar o consumo. A caixa é 82% renovável, ou seja feita quase só de plantas (54% de papel e 28% de plástico de cana-de-açúcar) e 100% reciclável. “Vamos incentivar que a caixa seja reutilizada, temos essa informação na embalagem, somos a primeira marca a falar de reutilização, desenvolvemos a embalagem com uma boca mais larga justamente para isso”, afirmou ele. 

Mas a empresa não quer ficar apenas no discurso sobre a reutilização. A startup encomendou ao Instituto Mãos, que reúne artesãs do Vale do Jequitinhonha, 150 filtros de barro para enviar a influenciadores e formadores de opinião com o objetivo de incentivar o consumo de água. No futuro, estes filtros serão vendidos com a marca Água na Caixa. “A parceria é a materialização do desejo de fazer a diferença. Nós estamos fazendo a diferença com a água mineral oferecendo uma alternativa mais sustentável para o consumidor. E o Instituto Mãos faz uma diferença gigante na vida dessas mulheres artesãs e moradores do Vale do Jequitinhonha”, argumenta Fabiana.

Envasada em Pinhalzinho, no Circuito das Águas de São Paulo, Água na Caixa® fará sua estreia nas gôndolas da Casa Santa Luzia em embalagens de 500 ml, e, em breve, também na versão 330ml. Rodrigo destaca, entretanto, que a empresa já fechou acordos com restaurantes e está com conversas avançadas com uma companhia aérea e com redes de hotéis, como o Fasano.

A categoria de embalagens reutilizáveis é estimada em 10 bilhões de dólares globalmente, e a expectativa é de crescimento nos próximos anos. “Estamos iniciando com uma capacidade de envasar até 50 milhões de caixinhas ao ano e a meta de atingir 1.000 pontos de venda em São Paulo e no Rio de Janeiro até o fim de 2021” diz Rodrigo, que com a sua sócia passou os últimos dois anos desenvolvendo o produto.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Fitch: Volta do crescimento não é suficiente para reparar as finanças públicas da América Latina

A Fitch Ratings publicou nesta terça-feira um relatório que serve de alerta para os países e empresas da região:  a retomada do crescimento econômico...

Como manter sua equipe motivada no home office?

Há um ano o trabalho remoto era um desafio para a sobrevivência de empresas e negócios no início da pandemia. A transição para o...

Autenticidade e transparência são chave nas crises de comunicação em tempos de redes sociais, dizem especialistas

Em um mundo de ativismo global e repercussões em tempo real, estar prevenido quanto aos eventuais problemas decorrentes de crises em um negócio é...

Modelo híbrido é o preferido para pós-pandemia para mais da metade dos trabalhadores, diz pesquisa

Como será o trabalho no pós-pandemia? Muitas instituições estão pesquisando e propondo modelos, dos mais diversos. A consultoria americana McKinsey & Company apresentou uma...

Estudo aponta a bioindústria como caminho para desenvolvimento sustentável da Amazônia

Há caminho para o desenvolvimento com sustentabilidade, e ele passa por pesquisa, desenvolvimento e pela bioindústria. Esta é a conclusão do estudo “Amazônia e...