Banrisul selecionará 30 fintechs para programa de aceleração

Leia também

Com Biden, Estados Unidos abrem caminho para “Imposto Google” global

A reunião virtual dos ministros da Economia do G20 confirmou o que muitos esperavam: com a mudança no governo americano, agora está mais perto...

Oportunidades de inovação para empresas não estão restritas ao eixo São Paulo-Rio. Prova disso é a divulgação do Programa de Aceleração de Startups do Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul). A entidade selecionará 30 fintechs, na primeira ação de inovação aberta do banco, referência para os gaúchos.

Poderão participar fintechs de todo o país que abortem alguns dos seguintes temas: agronegócios, serviços financeiros, relacionamento com clientes e empresas, eficiência operacional, segurança da informação e governos. Essa é a atividade mais recente do BanriHub, amplo projeto de inovação do Banrisul, que tem ações em educação, startups, coworking e financiamento à inovação.

Uma das mais relevantes ações é o Hub.Venture, que vai estimular ações por meio de fundos de investimento ou mentorias. Um aporte de até R$ 20 milhões no fundo de co-investimento Anjo, do BNDES, já foi aprovado pela instituição financeira. A instituição financeira tem, ainda, ações como uma linha de crédito para financiamento de tecnologias da Indústria 4.0. Também foi criada a Unidade de Transformação Digital (UTD), que redesenha o formato de criação de novos produtos e promove um alinhamento entre as jornadas digitais e os objetivos estratégicos do banco.

O Banrisul ainda é fundador do Instituto Caldeira, que busca conectar empresas e startups para estimular o ecossistema da inovação no Rio Grande do Sul. Essas ações têm reflexo no mercado financeiro. É o que afirma o diretor de Finanças e Relações com Investidores, Marcus Vinícius Feijó Staffen. Em dezembro de 2020, as ações do banco apresentaram variação de 8,4%, superior à variação do Índice Financeiro (IFNC). “Para o futuro, acreditamos que as iniciativas relacionadas à inovação têm potencial de impactar favoravelmente o comportamento das nossas ações”, conclui.

De acordo com o presidente Cláudio Coutinho, o objetivo é oferecer um ambiente direcionado ao empreendedorismo. “No espaço, serão incubadas empresas com potencial de escala. O intuito é inspirar profissionais com uma metodologia ágil e foco na jornada do cliente. Queremos propiciar conexões com parques tecnológicos e potenciais investidores”, pontua.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Em pior momento da pandemia, indicamos dez pontos a serem seguidos pelas empresas nestes tempos

O impacto da pandemia na economia brasileira foi conhecido nesta quarta-feira: queda de 4,1% do PIB de 2020. Analistas lembram, contudo, que o resultado...

Com Biden, Estados Unidos abrem caminho para “Imposto Google” global

A reunião virtual dos ministros da Economia do G20 confirmou o que muitos esperavam: com a mudança no governo americano, agora está mais perto...

Piores notícias sobre o Brasil na imprensa internacional estão na cobertura política: 65% das reportagens são negativas, aponta estudo

O ano de 2020 será sempre lembrado como período de pandemia, mortes e milhões de contaminados, aguda recessão econômica, aumento do desemprego e um...

Banco Mundial: 25% das empresas tiveram queda de 50% no faturamento com a pandemia

Afinal, qual o impacto da pandemia para as empresas? Para tentar responder a esta questão, o Banco Mundial tem feito uma série de pesquisas....

Pagamento de produtos e serviços por Pix já é feito por 51% dos usuários, indica pesquisa

Criado para fazer transferências de valores em segundos e a qualquer momento, mesmo fora do horário comercial, o PIX está cada vez mais se...