Estudo aponta a bioindústria como caminho para desenvolvimento sustentável da Amazônia

Leia também

Há caminho para o desenvolvimento com sustentabilidade, e ele passa por pesquisa, desenvolvimento e pela bioindústria. Esta é a conclusão do estudo “Amazônia e a Bioeconomia”, elaborado pelo Instituto de Engenharia (IE), que aponta os meios para essa transição. “O País precisa investir mais em Educação, Ciência e Tecnologia e oferecer um ambiente de negócios estável e internacionalmente competitivo para poder se apropriar de seu mais significativo diferencial: ter a maior biodiversidade do planeta, parte significativa dela na Amazônia. E antes de mais nada, o Brasil precisa imaginar, discutir e escolher que desenvolvimento quer e pode fazer acontecer na Amazônia”, afirma o relatório.

Se não houver uma mudança na estratégia para a região, o adensamento populacional vai aumentar. De acordo com a pesquisa, a população dos estados da Amazônia legal, que em 1991 somava 16,1 milhões de pessoas (10,9% da população nacional), agora está em 29,3 milhões (14,1% da população nacional). Na análise das condições, verificou-se que a precariedade na qualidade de vida: apenas dois dos nove estados da Amazônia Legal, Rondônia e Mato Grosso, apresentam média menor que a nacional de pessoas vivendo na extrema pobreza e na pobreza. Na região, apenas 40,1% dos domicílios conta com banda larga, contra 67,4% do restante do país.

A proposta do levantamento é provar que é possível obter mais renda e riqueza com o desenvolvimento sustentável. O relatório aponta que um hectare que produz castanha, cacau ou açaí, culturas que precisam de áreas preservadas para se desenvolver, gera uma renda anual de R$ 12.300 por hectare, enquanto que a soja e a carne, desenvolvidas em áreas desmatadas, gera renda anual de R$ 604 por hectare.

Mas para esta mudança ocorrer será necessário investir em pesquisa e tecnologia para o desenvolvimento de produtos e meios de produção sustentáveis. O IE indica que o Brasil já teve casos de sucesso no passado, como ITA, Inpe, Embrapa, CPQD. Porém é urgente elevar o investimento em ciência e tecnologia. No Brasil, a destinação de recursos para essas áreas a 0,6% do PIB, metade do registrado na China (1,2%), menos da metade da média da OCDE (1,3%) e muito aquém da Coreia do Sul (2,6%).

O estudo aponta os sete fundamentos da “Amazônia 4.0”, que vai desde o aproveitamento do conhecimento sobre a região por parte de pesquisadores, a compreensão do conhecimento da floresta, distribuição igualitária dos benefícios socioeconômicos e fundamentalmente produzir bens e serviços de maneira sustentável, entre outros pontos.

A partir desta base, a pesquisa lista as medidas para alcançar este desenvolvimento sustentável. Entre elas estão a Centralidade Estratégica da Bioeconomia para o Brasil, a biodiversidade em primeiro plano; e Governança, com o governo federal assumindo um papel de criar e implementar uma Política Nacional de Bioeconomia com a criação de um Conselho Nacional da Bioindústria.

Além destas, o estudo aponta para a necessidade do desenvolvimento do sistema de Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I), que é a implantação de um programa de atração e fixação de pesquisadores e empresas para atuar na região com apoio total a uma infraestrutura de pesquisa. Outros pontos importantes são o fortalecimento das instituições de ensino e pesquisa e transformação da Amazônia em um Hub de excelência em CT&I, com o objetivo de desenvolvimento de um expertise nacional sobre a região.

Tão importante quanto os aspectos que envolvem investimentos em desenvolvimento tecnológico aplicado à sustentabilidade, os pesquisadores mostram preocupação em relação à evolução populacional. Estima-se que hoje 29,3 milhões de pessoas vivam na Amazônia Legal brasileira, parte significativa dessas pessoas estão abaixo da linha da pobreza. Como será a região quando chegar aos 40 milhões, 50 milhões de habitantes? A pergunta feita pelo estudo é sobre o que se espera para o futuro dessa região.

“O modelo de desenvolvimento do País dos últimos 500 anos fatalmente comprometerá nossa biodiversidade. Precisamos encontrar um novo modelo que garanta o acesso a saúde, educação e habitação, sem comprometer as oportunidades das gerações futuras. A meu ver, isso pode ser alcançado com o desenvolvimento científico e tecnológico no campo da bioeconomia circular”, argumenta George Paulus, coordenador do caderno e conselheiro do IE

Para Carlos Nobre, é possível conciliar desenvolvimento econômico, intelectual e social da Amazônia, com a simultânea conservação a floresta tropical. Durante pelo menos duas ou três décadas, apenas duas vertentes eram pensadas como possíveis, a primeira via, que afirma que há a necessidade de isolar completamente e garantir a preservação de grandes extensões da floresta, e a segunda via, baseada em uso intensivo de recursos naturais, por meio das atividades e serviços da pecuária, agricultura, mineração e geração de energia.

“A Terceira Via Amazônica representa uma oportunidade para desenvolver uma ‘economia verde’ que aproveite todo o valor de uma ‘floresta produtiva permanente’ para, com a ajuda de novas tecnologias físicas, digitais e biológicas já disponíveis ou em evolução, estabelecer um novo modelo de desenvolvimento econômico socialmente inclusivo”.

O estudo foi coordenado pelo cientista e engenheiro Carlos Nobre e pelo engenheiro George Paulus, do IE. Ele conta ainda com a participação do reitor da Universidade de São Paulo, Vahan Agopyan; Carlos Brito Cruz, VP sênior da Elsevier e ex- reitor da Unicamp; Tatiana Schor, secretária-executiva de Ciência, Tecnologia e Inovação do Amazonas; Ana Euler, pesquisadora da Embrapa Amapá; Adalberto José Val, pesquisador do INPA e um dos integrantes do Conselho da Amazônia; Ary Plonski, diretor do IEA-US.

Leia aqui a íntegra do documento

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Fitch: Volta do crescimento não é suficiente para reparar as finanças públicas da América Latina

A Fitch Ratings publicou nesta terça-feira um relatório que serve de alerta para os países e empresas da região:  a retomada do crescimento econômico...

Como manter sua equipe motivada no home office?

Há um ano o trabalho remoto era um desafio para a sobrevivência de empresas e negócios no início da pandemia. A transição para o...

Autenticidade e transparência são chave nas crises de comunicação em tempos de redes sociais, dizem especialistas

Em um mundo de ativismo global e repercussões em tempo real, estar prevenido quanto aos eventuais problemas decorrentes de crises em um negócio é...

Modelo híbrido é o preferido para pós-pandemia para mais da metade dos trabalhadores, diz pesquisa

Como será o trabalho no pós-pandemia? Muitas instituições estão pesquisando e propondo modelos, dos mais diversos. A consultoria americana McKinsey & Company apresentou uma...

Estudo aponta a bioindústria como caminho para desenvolvimento sustentável da Amazônia

Há caminho para o desenvolvimento com sustentabilidade, e ele passa por pesquisa, desenvolvimento e pela bioindústria. Esta é a conclusão do estudo “Amazônia e...