Autenticidade e transparência são chave nas crises de comunicação em tempos de redes sociais, dizem especialistas

Leia também

Pesquisa InfoJobs revela preconceitos sofridos por profissionais com mais de 40 anos

Uma pesquisa realizada pelo InfoJobs, empresa de tecnologias para recrutamento, revela que 70,4% dos profissionais entrevistados com mais de 40 anos disseram ter sofrido...

Brasil é o terceiro país das Américas em atração de investimentos de Venture Capital

O Brasil é hoje um dos principais mercados de Venture Capital. Segundo pesquisa realizada pela KPMG, nos três primeiros meses de 2021 o país...

Em um mundo de ativismo global e repercussões em tempo real, estar prevenido quanto aos eventuais problemas decorrentes de crises em um negócio é fundamental para uma resposta rápida. Se antes os fatos ficaram restritos localmente com maior dificuldade de difusão imediata, hoje isso já não existe e em instantes ou mesmo em tempo real um pequeno incidente pode vir a se tornar uma crise sem proporções para uma organização. Essas foram parte das visões compartilhadas pelos professores Yan Jin e Bryan Reber, professores do Grady College of Journalism and Mass Communication University of Georgia, nos EUA, em um debate virtual realizado nesta sexta-feira para a apresentação do livro “Advancing Crisis Communication Effectiveness”,organizado pela Imagem Corporativa.

Ciro Dias Reis, CEO da Imagem Corporativa e Global Chair da PROI Worldwide, mediou o bate-papo e também trouxe algumas contribuições para a discussão, apontando para a importância das empresas estarem atentas ao processo como um todo, lembrando que as crises envolvem todas as áreas de uma organização e que é preciso saber de antemão quais são os fatores de risco para atuação de uma empresa. Neste sentido, é importante que todas as partes desse negócio “falem a mesma língua”, lembrou. 

“Em uma crise, muitos defendem que as empresas devem falar nada ou o mínimo possível, essa é a visão principalmente dos advogados. Mas o silêncio gera ansiedade e raiva. Ser transparente e agir com empatia, dando informações, pedindo desculpas e indicando que isso não acontecerá de novo é o melhor caminho”, indicou Yan Jin. 

Para os autores, em caso de crise, as empresas devem priorizar a criação de grupos para administrá-la, sempre com a participação de uma equipe ampla, incluindo os líderes da área de comunicação.

Ciro, que também é co-autor do livro, lembrou, por exemplo, que a crise do Exxon Valdez, navio que derramou milhões de barris de petróleo no Alasca, completou três décadas.  Bryan Reber afirmou que, nos dias de hoje, a forma de se comunicar nesta crise seria totalmente diferente.

“Naquela crise, como era em um local isolado, a Exxon conseguiu deixar os jornalistas afastados. Hoje, com a tecnologia, é impossível, jornalistas e sociedade não precisam de autorização”, disse o americano. 

De acordo com Reber, a melhor estratégia é tentar antever crises e problemas, para ter um plano caso o pior cenário se torne realidade. Isso vale, em sua opinião, para grandes empresas, que contam com dezenas de pessoas para monitorar as redes sociais e a comunicação, e também para pequenos negócios, onde o próprio dono pode pensar desta maneira: 

“Você precisa antecipar os problemas de alguma maneira. ‘qual a pior coisa que pode acontecer comigo e como vou encarar isso?’. Ter um plano é sempre possível, mesmo que seja feito apenas pelo dono do negócio, mas terceirizar isso, para uma agência de comunicação, pode ajudar muito”, afirmou o professor.

Em uma analogia com uma situação doméstica, Jin afirmou que fazer check-ups de rotina é sempre melhor e mais efetivo que esperar ficar doente para buscar um médico. 

“Às vezes chegamos tarde demais em uma emergência de hospital”, comparou. 

Neste sentido, ter um plano de prevenção é o melhor seguro para os negócios, inclusive os menores. Para ela, a chave da comunicação, ainda mais em momentos de crise, é ser autêntico, passar confiança e clareza da situação. Neste sentido, ambos os debatedores acreditam que um bom plano de ESG, além de reduzir fortemente o risco de problemas e gerar mais confiança, mostra que a empresa está comprometida com boas práticas, e que eventuais fontes de crise passariam a ser questões isoladas.

Na análise da atualidade, Jin destacou o momento delicado pelo qual a sociedade atravessa, onde impera a desinformação e a falta de confiança, o que dificulta uma estratégia em tempos de crise. 

Reber comparou os desafios da comunicação em tempos de redes sociais a uma brincadeira de “telefone sem fio”, onde algo se perde a cada etapa. 

“Há coisas hoje nas redes em que apenas 5% é baseado na verdade e 95% é falso”, disse. 

Mas ele lembra que a boa comunicação tem seu valor, e citou como exemplo a mudança no enfrentamento à pandemia com a troca de governo nos Estados Unidos, onde o atual governo tem passado clareza de informações, o que ajudou a prevenção com o uso de máscaras e acelerou o programa de vacinação. Reber citou os quatro passos para a comunicação eficiente, resumidos na sigla “Idea” (idéia, em inglês): I – internacionalizar, fazer com que as pessoas da organização acreditam na mensagem; D – distribuição, como a mensagem da empresa pode se espalhar; E  – vem de explicação, que significa entender a importância da mensagem e; A – vem de ação, que são os passos para pessoas entenderem esse caminho.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Pesquisa InfoJobs revela preconceitos sofridos por profissionais com mais de 40 anos

Uma pesquisa realizada pelo InfoJobs, empresa de tecnologias para recrutamento, revela que 70,4% dos profissionais entrevistados com mais de 40 anos disseram ter sofrido...

Brasil é o terceiro país das Américas em atração de investimentos de Venture Capital

O Brasil é hoje um dos principais mercados de Venture Capital. Segundo pesquisa realizada pela KPMG, nos três primeiros meses de 2021 o país...

Panvel investe em energia sustentável para reduzir emissão de CO2 

Com o objetivo de suprir todas as suas lojas de rua com energia renovável até o fim de 2022, o grupo Panvel Farmácias deu...

IEDI divulga carta com sugestões à Reforma Tributária

Reivindicada há anos pelo setor produtivo do país, a Reforma Tributária esbarra na falta de consenso entre o governo federal e o Congresso Nacional....

Fiergs lança portal para “diagnóstico” de indústria 4.0

Afinal, como está sua empresa em relação à chamada Indústria 4.0? Como sua organização trata o uso dos dados e inovações como robótica, inteligência...