Brasil é o terceiro país das Américas em atração de investimentos de Venture Capital

Leia também

Empresas terão de reparar imagem ambiental do país desgastada pelo governo, diz especialista

Ao mesmo tempo em que o ESG (sigla em inglês para agenda ambiental, social e de governança) ganha espaço no país, principalmente no ambiente...

Executivos brasileiros se mostram preocupados com times de líderes, diz pesquisa

Um estudo realizado pela Robert Half, consultoria global de recrutamento especializado, em parceria com a Fundação Dom Cabral, mostrou que 54% dos executivos brasileiros...

De olho na China, Estados Unidos vota nova política industrial

O enfrentamento econômico entre os Estados Unidos e a China está levando a uma retomada da política industrial americana. Para voltar a produzir, prioritariamente,...

O Brasil é hoje um dos principais mercados de Venture Capital. Segundo pesquisa realizada pela KPMG, nos três primeiros meses de 2021 o país respondeu pelo terceiro maior crescimento de captação desses recursos entre os países das Américas. Foram US$ 2,1 bilhões em investimentos no primeiro trimestre desde ano, atrás apenas de Estados Unidos (US$ 69 bilhões) e Canadá (US$ 2,5 bilhões) em Venture Capital. Esse montante captado fez o Brasil superar seu recorde anterior, que era de captação de US$ 1 bilhão em um trimestre. Esses dados fazem parte da pesquisa “Venture Pulse 1T 2021”, da KPMG, que analisou o comportamento mundial em Venture Capital nos três primeiros meses de 2021.

“O Brasil teve um início de 2021 notável, com a participação de empresas de diferentes setores. A maturidade crescente deste mercado e as taxas baixas de juros ajudam a despertar o interesse de Venture Capital. Resta saber se o ímpeto permanecerá à medida que o ecossistema crescer, mas o começo do ano já é promissor”, afirma Jubran Coelho, sócio-líder de Private Enterprise da KPMG no Brasil e na América do Sul.

Essa atração de investimentos para o país se deve também a criação de empresas locais para atrair os investidores desse segmento. 

Mas o destaque do mercado de Venture Capital não se restringe às Américas, na Europa os números também são recordes e o total para o trimestre foi de US$ 21 bilhões em investimentos nos países do bloco. Esse montante, de acordo com a KPMG, foi impulsionado principalmente por fintechs, que responderam por metade dos maiores negócios da região. O Reino Unido liderou os bons resultados com US$ 7,1 bilhões. Em segundo lugar aparece a região nórdica, com US$ 3,4 bilhões. Em terceiro lugar está a Alemanha, com US$ 3,1 bilhões. Segundo o estudo da KPMG, os números traduzem a evolução rápida do mercado de Venture Capital em toda a Europa e a maturidade crescente das startups da região.

“Os números evidenciam a maturidade e a relevância dos investimentos da indústria de Venture Capital no Brasil e no mundo. Com a busca por modalidades de investimentos alternativos e ativos atraentes, esses fundos têm se mostrado ágeis, efetivos e ousados o bastante para justificar o destaque e o protagonismo atual”, disse Roberto Haddad, sócio-líder de Private Equity e Venture Capital da KPMG no Brasil. 

Ainda segundo Haddad, o segundo trimestre tende a seguir com bons resultados. Ele explica que o destaque das fintechs deve permanecer, além dos serviços B2B e deos negócios criados ou ampliados durante a pandemia. Haddad lembra que esse é um “momento interessante com bastante capital disponível”, lembrando que há uma expectativa de crescimento econômico no mundo na fase pós-pandemia. 

As informações da empresa mostram que os investimentos totais no primeiro trimestre de 2021, na região Ásia-Pacífico, chegaram a US$ 31 bilhões. Apesar de ser um total relevante, ele é menor do que os US$ 34,5 bilhões registrados no quarto trimestre de 2020 na região. A líder da região continua sendo a China, que registrou US$ 24,6 bilhões de investimentos em Venture Capital no primeiro trimestre de 2021, mais que o dobro dos US$ 10 bilhões do primeiro trimestre de 2020. Em segundo lugar está a Índia, com US$ 2,8 bilhões.

A pesquisa da KPMG destaca ainda a saída de empresas financiadas por Venture Capital. Ao todo, foram 104 empresas, o que se traduz em uma saída recorde de US$ 148 bilhões. O país mais afetado foi a China, que respondeu por US$ 87 bilhões desse total.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Executivos brasileiros se mostram preocupados com times de líderes, diz pesquisa

Um estudo realizado pela Robert Half, consultoria global de recrutamento especializado, em parceria com a Fundação Dom Cabral, mostrou que 54% dos executivos brasileiros...

Empresas terão de reparar imagem ambiental do país desgastada pelo governo, diz especialista

Ao mesmo tempo em que o ESG (sigla em inglês para agenda ambiental, social e de governança) ganha espaço no país, principalmente no ambiente...

De olho na China, Estados Unidos vota nova política industrial

O enfrentamento econômico entre os Estados Unidos e a China está levando a uma retomada da política industrial americana. Para voltar a produzir, prioritariamente,...

Pesquisa da Câmara Americana de Comércio mostra engajamento ESG nas empresas do Brasil

Um levantamento inédito realizado pela Câmara Americana de Comércio (Amcham- Brasil) com 178 líderes de empresas e startups brasileiras, mostrou que 95% das companhias...

Maioria dos empresários brasileiros acredita em retomada de seus setores em até um ano depois da vacinação

Notícias econômicas positivas, turbinadas com fotos de países que parecem estar deixando a crise para trás com o avanço da vacinação, ampliam o otimismo....