Ford prevê 40% de toda sua produção em veículos elétricos até 2030

Leia também

Empresas terão de reparar imagem ambiental do país desgastada pelo governo, diz especialista

Ao mesmo tempo em que o ESG (sigla em inglês para agenda ambiental, social e de governança) ganha espaço no país, principalmente no ambiente...

A demanda por produtos sustentáveis e automóveis movidos a energia limpa cresce a cada dia, neste cenário a Ford anunciou em seu Capital Markets Day um investimento de US$ 30 bilhões em eletrificação até 2025, incluindo o desenvolvimento de bateriais. Ou seja, uma alta de US$ 8 bilhões em relação ao montante anunciado anteriormente. Com isso, segundo o comunicado a empresa, a expectativa é que 40% do volume global de veículos da montadora seja totalmente elétrico até 2030.

“Esta é a nossa maior oportunidade de crescimento e criação de valor desde que Henry Ford começou”, disse o CEO da Ford, Jim Farley.  

A Ford destacou que seguirá com o plano de projetar e produzir suas próprias baterias com três tecnologias. Essas são baterias de íon-lítio, chamas de IonBoost; fosfato de íon-lítio, para veículos comerciais a ser denominado IonBoost Pro; e baterias de estado sólido a serem produzidas com tecnologia tanto da Ford quanto da Solid Power, nas quais a montadora tem participação.

Na semana passada a montadora chegou a um acordo com a Coréia do Sul SK Innovation, uma das principais empresas de baterias do mundo, para a produção americana de baterias para veículos elétricos.

A empresa explicou que espera reportar uma margem de lucro ajustada antes de juros e impostos de 8% até 2023 e que criará uma unidade de negócios que irá se concentrar apenas em clientes profissionais e do setor público, chamada Ford Pro

Por outro lado, prevê receitas de US$ 45 bilhões para 2025 provenientes das áreas de hardware e serviços, ante 27 US$ 27 bilhões de dólares em 2019. Em fevereiro deste ano, a  empresa norte-americana disse que vai investir mais US$7 bilhões de dólares em automóveis autônomos.

Olhando para 2021, a marca americana espera obter um lucro operacional entre US$ 8 bilhões e US$ 9 bilhões. No entanto, há uma perspectiva de escassez de componentes que pode reduzir seu lucro operacional entre US$ 1bilhão e US$ 2,5 bilhões.  

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Executivos brasileiros se mostram preocupados com times de líderes, diz pesquisa

Um estudo realizado pela Robert Half, consultoria global de recrutamento especializado, em parceria com a Fundação Dom Cabral, mostrou que 54% dos executivos brasileiros...

Empresas terão de reparar imagem ambiental do país desgastada pelo governo, diz especialista

Ao mesmo tempo em que o ESG (sigla em inglês para agenda ambiental, social e de governança) ganha espaço no país, principalmente no ambiente...

De olho na China, Estados Unidos vota nova política industrial

O enfrentamento econômico entre os Estados Unidos e a China está levando a uma retomada da política industrial americana. Para voltar a produzir, prioritariamente,...

Pesquisa da Câmara Americana de Comércio mostra engajamento ESG nas empresas do Brasil

Um levantamento inédito realizado pela Câmara Americana de Comércio (Amcham- Brasil) com 178 líderes de empresas e startups brasileiras, mostrou que 95% das companhias...

Maioria dos empresários brasileiros acredita em retomada de seus setores em até um ano depois da vacinação

Notícias econômicas positivas, turbinadas com fotos de países que parecem estar deixando a crise para trás com o avanço da vacinação, ampliam o otimismo....