Mais planejamento e menos drones, assim devem ser as entregas no futuro

Leia também

Startups de energia receberam só neste ano 78% do total de investimentos no setor desde 2015

No ano de uma das piores crises hídricas do Brasil com consequências sobre a produção de energia, as startups do setor já receberam R$...

Em um mundo disruptivo e com inovações tecnológicas em velocidades por vezes estonteantes, muitos esperam que o futuro dos serviços de delivery, que cresceu fortemente com a pandemia e hoje é essencial em todos os segmentos do comércio, será os drones. Mas, cada vez mais, especialistas divergem de que teremos no futuro um sistema autônomo e high-tech de entregas.

Sim, os drones devem se tornar realidade, mas muito mais para nichos específicos. Não deveremos, ao menos no horizonte planejável, a entrega “voadora” como padrão da economia global. Por outro lado, a eficiência no sistema de entregas marcará o futuro do delivery. Esta é a opinião de Ramón García, diretor de Inovação e projetos do Centro Espanhol de Logística. Em recente entrevista aos meios espanhóis, García afirmou que os drones não serão tão comuns, não por falta de tecnologia, mas sim por serem menos eficientes economicamente.

Em sua opinião, o setor ainda passará por muitas transformações. Neste momento muitas cidades europeias e americanas apostam em exigir um sistema de entregas mais “verde” das empresas, em geral com regras de uso de carros elétricos. Apesar de se um passo importante, o especialista afirma que isso é só o começo. Em sua opinião, os legisladores ainda estão discutindo o tipo do veículo que faz a entrega final de produtos aos consumidores, enquanto em breve começarão a debater quão cheios estão estes veículos.

A entrega ultra-rápida de mercadorias, que atendem ao consumidor exigente, tem fortes impactos ambientais, devido aos deslocamentos desnecessários. E mesmo que eles sejam realizados por veículos elétricos, afirma García, haveria um uso não-eficiente de energia e geram congestionamentos. Desta forma, acredita, o futuro será baseado muito mais no planejamento e na eficiência logística. “Vamos ter a logística se adaptando às cidades, e não o contrário, como é hoje”. 

 

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Startups de energia receberam só neste ano 78% do total de investimentos no setor desde 2015

No ano de uma das piores crises hídricas do Brasil com consequências sobre a produção de energia, as startups do setor já receberam R$...

Nestlé oferece empatia e acolhimento com Projeto Supera

As empresas têm de lidar a todo momento com os impactos ainda presentes da pandemia. Um dos mais complexos é o luto de quem...

Pesquisa mostra que líderes empresariais esperam garantir ganhos de sustentabilidade e mudanças climáticas

Uma pesquisa realizada pela KPMG neste ano com 500 CEOs globais de consumo e varejo,mostra que 92% deles desejam garantir os ganhos de sustentabilidade...

Reino Unido deve ter mais investimentos estatal para ampliar oferta de carregadores para carros elétricos nas ruas

O Reino Unido foi a primeira região do mundo a anunciar que a partir de 2030 não serão mais comercializados veículos a combustão fóssil,...

Extra investe em empreendimentos liderados por mulheres negras de periferias do Brasil

Criado em 2020 para apoiar empreendimentos de mulheres negras periféricas e contribuir para a manutenção dos seus negócios, o projeto da rede Extra, por...