Extra investe em empreendimentos liderados por mulheres negras de periferias do Brasil

Leia também

Criado em 2020 para apoiar empreendimentos de mulheres negras periféricas e contribuir para a manutenção dos seus negócios, o projeto da rede Extra, por meio do Instituto GPA, em parceria com a Fundação Tide Setubal, garante recursos financeiros e oferece capacitação técnica e mentorias individualizadas, receberá maior investimento. Além de um curso para apoiar na formação e orientação destas empresárias, as edições deste ano do programa Empreendedoras Periféricas devem atingir um público maior de empreendedoras selecionadas, assim como dos valores aportados, que agora são de R$ 5 mil a R$ 10 mil dependendo do número de mulheres impactadas.

Desde o ano passado, o programa já conseguiu apoiar 36 empreendedoras em pouco mais de um ano de atividade, 17 empreendimentos na edição de 2020, e nesta primeira edição de 2021, são 19 empreendimentos, de oito estados brasileiros.

O início da segunda edição de 2021 do Empreendedoras Periféricas está previsto para a primeira semana de agosto e contará com a participação de 26 empreendedoras, de seis estados brasileiros, que foram pré-selecionadas no começo deste ano.

“Com a ampliação do programa Empreendedoras Periféricas, fortalecemos as iniciativas econômicas de mulheres negras para a manutenção dos seus empreendimentos neste cenário tão complexo da economia nacional. Com o projeto, buscamos também contribuir para o desenvolvimento de mais mulheres, que inspiram outras mulheres, e fortalecem essa rede de empreendedorismo negro feminino no país”, diz Renata Amaral, Gerente do Instituto GPA.

As edições deste ano do Empreendedoras Periféricas tiveram a ampliação do tempo de capacitação, que agora é de quatro meses de formação, com oferecimento de oficinas semanais sobre gestão, educação financeira e comunicação.

Uma das participantes da primeira edição de 2021 é Wemmia Anita Lima Santos, de Ceilândia, Brasília/DF, uma das fundadoras da RAIX, empreendimento de roupas que compreende também plataforma digital de fomento à cultura periférica no DF. “Pra gente é super importante ser fortalecido pelo projeto do Empreendedoras Periféricas, considerando que a gente vai ter maior alcance e, quiçá, escalabilidade para sair do nicho da Ceilândia e expandir para outras regiões administrativas e o entorno”. Atualmente, o negócio impacta várias mulheres, tanto pela rede compartilhada quanto através da contratação de colaboradoras e fornecedoras periféricas.

Luanda Fernandes Maciel, de Olinda, em Recife, é outra empreendedora apoiada pelo programa. Ela é dona do Adupé Café e Arte, um local que engloba uma cafeteria e espaço cultural que busca promover encontros e debates para mulheres. “Acredito que o Café Adupé tem potencial para virar um grande polo de encontro, um espaço onde a gente preza pela liberdade e diálogo”, diz. “E o Empreendedoras Periféricas vai contribuir muito para acertar as contas, fortalecer a divulgação do nosso espaço e firmar a marca no bairro”, afirmando sobre sua participação no projeto.

 

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Startups de energia receberam só neste ano 78% do total de investimentos no setor desde 2015

No ano de uma das piores crises hídricas do Brasil com consequências sobre a produção de energia, as startups do setor já receberam R$...

Nestlé oferece empatia e acolhimento com Projeto Supera

As empresas têm de lidar a todo momento com os impactos ainda presentes da pandemia. Um dos mais complexos é o luto de quem...

Pesquisa mostra que líderes empresariais esperam garantir ganhos de sustentabilidade e mudanças climáticas

Uma pesquisa realizada pela KPMG neste ano com 500 CEOs globais de consumo e varejo,mostra que 92% deles desejam garantir os ganhos de sustentabilidade...

Reino Unido deve ter mais investimentos estatal para ampliar oferta de carregadores para carros elétricos nas ruas

O Reino Unido foi a primeira região do mundo a anunciar que a partir de 2030 não serão mais comercializados veículos a combustão fóssil,...

Extra investe em empreendimentos liderados por mulheres negras de periferias do Brasil

Criado em 2020 para apoiar empreendimentos de mulheres negras periféricas e contribuir para a manutenção dos seus negócios, o projeto da rede Extra, por...