Calçados Bibi anuncia compromissos de sustentabilidade até 2030

Leia também

Com a agenda ESG na ordem do dia de qualquer organização  mundial, as empresas brasileiras têm aderido a iniciativas que visam melhores práticas de governança corporativa e  promoção do desenvolvimento sustentável. Sob essa perspectiva, a Calçados Bibi, uma das principais fabricantes de calçados infantis do Brasil, anunciou sua agenda de compromissos até 2030, com ações norteadas pelos preceitos ESG.  Fundada há 72 anos, a empresa quer promover iniciativas com todos os seus públicos de interação: consumidores, fornecedores, colaboradores e parceiros, baseadas nos pilares econômicos, sociais e ambientais. 

No âmbito econômico, entre os resultados que a marca espera alcançar até 2030, estão expandir a rede de franquias para chegar às 250 lojas no Brasil e 100 no exterior. No campo ambiental, a Bibi espera alcançar anualmente 100% de conformidade dos produtos fabricados na Norma Reach (Regulamento Nº 1907/2006 Parlamento Europeu) referente à toxicidade. Outras questões englobam uma redução de 20% na geração de resíduos no desenvolvimento de novos produtos e operações industriais, até o ano de 2025. 

Já no social, a marca quer promover a qualificação profissional constante de jovens das comunidades locais, por meio do programa “Fábrica de Talentos Bibi”, realizando a efetivação de, no mínimo, 30% dos participantes do programa junto à empresa. Outra meta é atingir anualmente uma média de 8,8 horas de treinamentos e capacitações por colaborador.

“Entre nossos compromissos, iremos destinar 52 minutos anuais, por colaborador, para realização de trabalhos voluntários de impacto local, que tenham conexão com o propósito da empresa. Dessa forma, queremos doar por ano o equivalente a um dia de produção de calçados das fábricas Bibi, que produzem anualmente cerca de 2 milhões de pares, para instituições que também tenham relação com o nosso propósito, que é a base das atividades em diferentes esferas. Atualmente, já promovemos inúmeras ações sociais junto à comunidade, como a doação de máscaras e calçados em diferentes locais, principalmente nas comunidades onde estão instaladas as unidades fabris, incluindo a doação de calçados para bebês recém-nascidos nas maternidades de hospitais públicos. Vamos potencializar tudo isso até 2030”, explica o Gerente de suprimentos e Sustentabilidade da Bibi, Ismael Fischer.

Com dois parques fabris, sendo um em Parobé, no Rio Grande do Sul, e outro em Cruz das Almas, na Bahia, a marca exporta sua produção para mais de 70 países. Para atender aos padrões de qualidade, a Bibi conta com uma rede de fornecedores de materiais não tóxicos para a confecção dos calçados, de olho na saúde e no bem-estar dos seus consumidores: as crianças. 

Esse olhar para agenda sustentável tem garantido ao grupo calçadista o selo do Programa Origem Sustentável, que atesta o compromisso com as iniciativas nos processos industriais, bem como o desenvolvimento de ações em sintonia com os pilares ESG. Certificação que a empresa possui desde 2013. Esta é a única certificação de sustentabilidade do mundo que abrange toda a cadeia produtiva do calçado. Com abrangência internacional, o programa foi idealizado pela Abicalçados (Associação Brasileira das Indústrias de Calçados) e pela Assintecal (Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos) com o objetivo de guiar empresas que atuam nestes setores para que tenham um alto nível de desempenho em ESG.

Com o Selo Origem Sustentável, a Bibi é reconhecida e comunica seu desempenho e responsabilidade frente a um mundo mais sustentável. Diante disso e pensando estrategicamente no futuro, sempre visando a melhoria e o aperfeiçoamento das atividades e atuação no mercado, a marca mapeou os compromissos que deseja desempenhar em diferentes âmbitos até 2030. 

“Temos como objetivo promover o crescimento econômico em todas as frentes do negócio, tanto na indústria quanto varejo, de forma sustentável. Tudo isso, gerando impactos econômicos positivos na comunidade local, por meio da geração de empregos e pagamento de tributos. Sob a perspectiva ambiental, o objetivo é melhorar de forma contínua o sistema de gestão ambiental da rede, visando desenvolver processos que resultem em ganhos de ecoeficiência e na redução dos impactos ambientais. Também buscamos elaborar projetos e ações que fortaleçam o propósito da marca, que é fazer o bem para gerar boas lembranças, mas sempre trazendo um resultado favorável para a sociedade”, disse Fisher.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes