Empresa de geração distribuída de energia aposta nos pilares ESG para transformação de realidade regional

Leia também

A Órigo Energia, empresa de geração distribuída, chega neste mês a um total de 25 fazendas de energia solar em Minas Gerais. Com ações focadas nos pilares ESG, a companhia atua com um modelo de negócio que prevê a contratação de pacotes de créditos de energia gerados pelas suas fazendas solares. A operação da empresa em Minas Gerais já garantiu a redução de cerca de 15 mil toneladas de CO2 desde 2017, o que equivale a 116 mil árvores plantadas. 

Além do desenvolvimento sustentável a partir de uma matriz energética limpa, a empresa, por meio do projeto “Mulheres de Origem”, estimula o trabalho feminino na construção das fazendas solares. 

“Ao abrir espaço para as mulheres nesse tipo de trabalho, considerando que ainda é um ambiente predominantemente masculino, percebemos um impacto social profundo na vida dessas mulheres e na região, pois grande parte dessas trabalhadoras é constituída de mulheres que são as principais responsáveis pela renda familiar, mesmo muitas delas encontrando na empresa a sua primeira experiência sob o regime CLT”, conta Tatiana Fischer, CMO da Órigo Energia, que lembra que de um total de 64 vagas em duas plantas, 26 foram preenchidas por mulheres. .

Uma ação que complementa o aumento da demanda por mão de obra, tendo em vista que a Órigo dobrou o número de fazendas solares neste ano. Somente em 2021, foram construídas 12 plantas desse tipo, elevando o número de fazendas em operação para 25. A expansão elevou a  capacidade instalada para 100 MWp, atendendo mais de 25 mil clientes. Expansão garantida pela captação de R$ 354 milhões. 

E novos projetos já estão em andamento. A empresa também anunciou em junho, junto com a GDSolar, um acordo com a norueguesa Norsk Solar que envolve a construção de 12 usinas fotovoltaicas com capacidade estimada em 37 MWp para projetos de energia solar direcionados aos setores corporativo e industrial.

Outro indicador de impacto da operação da companhia é a economia na conta de energia elétrica que proporciona aos seus clientes. Do início da sua operação em Minas Gerais (2017) até o momento, essa economia somou quase R﹩ 40 milhões. Esse valor representa um reforço na renda de muitas famílias atendidas, em que os consumidores foram impactados pelo atual momento do país e pelo alto preço da energia elétrica desencadeado pela “crise hídrica”, além de representar uma receita importante que passou a circular nos comércios e serviços dos municípios mineiros.

“Com os altos patamares de preço da energia elétrica para os consumidores, fica ainda mais evidente os benefícios do nosso modelo de geração distribuída, em que os nossos clientes aderem de forma simples, totalmente online, e já se beneficiam do consumo de energia limpa e com economia na conta”, conta Tatiana.

Em seu modelo de negócios, os clientes de Minas Gerais podem contratar cotas das fazendas de energia solar em um formato semelhante ao de uma assinatura de serviço de streaming ou TV a cabo. Dessa forma, o consumidor recebe a energia solar em sua residência ou estabelecimento comercial diretamente da distribuidora, sem nenhuma alteração na maneira como ele tradicionalmente já consome energia elétrica, com o diferencial de não precisar investir na aquisição de painéis solares ou em obras para instalação desses painéis, já que as placas fotovoltaicas já estão instaladas nas fazendas solares da Órigo. 

 

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes